:: Espaço Aberto Vánacontramão :: Curso de Teatro "Abrindo Portas"
 
 

Textos possíveis para serem trabalhados no Módulo I:

  1. Para mim, mudar é um desafio cuja superação requer muita coragem, disciplina, paciência e, acima de tudo, força de vontade. Eu quero se feliz e tenho absoluta convicção de quem “acredita, sempre alcança”.
  2.  “Por favor, não entre em contato comigo com as mesmas velhas razões de sempre. Não é a fria lógica dos meus argumentos que guia meu coração daqui por diante. Quero ver a vida por outros olhos, que não os seus. Quero beber por outros motivos, que não para afogar você dentro de mim. Cansei de sua falta de humor, do seu excesso de zelo. Vá resolver as suas carências em outro endereço”.
  3. Ao acordar, lembro que não vivo num mundo perfeito, lembro que tenho tarefas dolorosas a fazer, lembro que tenho dificuldades a vencer. Fico chateado e questiono minha presença na vida aqui neste planeta. Mas, alguma hora pensamentos ruim desaparecem, e eu começo a ver prazer em muitas outras coisas. Mais tarde os pensamentos ruins voltam e me forçam a escrever. Eu culpo o capitalismo, coloco sentimentos tristes no papel e volto a dormir.
  4. Não desisto dos meus sonhos jamais, mesmo que alguns insucessos eventualmente ocorram no transcorrer da jornada. A verdade é que não existem pessoas, mesmo aquelas mais bem sucedidas, que não experimentaram algum insucesso em suas vidas. Só deixarei de ter sucesso nesta laboriosa jornada, se eu desistir da luta no meio do caminho.
  5. Eu não penso em nada. Meu cérebro, enrolado sobre ele mesmo como uma toupeira no chão seco, descansa. Ouço os movimentos ligeiros, os rumores, os gemidos da terra e as chuvas que caem e as sementes que se incham. Sinto o céu e a terra acasalando-se como nos tempos antigos em que eles se uniam como homem e mulher e faziam filhos. Diante de mim, ao longo da praia, ouço o mar que muge e lambo, como uma fera que estica a língua para beber.
  6. Faço o que todo mundo acha que é certo: quase não como frituras, doces ou coisas pesadas. Meu cardápio tem grelhados com salada e arroz integral. Também como muitas frutas e legumes. Mas abro exceções quando tenho vontade. Tenho muita energia e sou movida a exercícios. Corro cerca de 40 minutos e depois faço musculação três vezes por semana. Quando o sol não está muito forte, ligo meu ipod e vou correr na Lagoa Rodrigo de Freitas. Está-se chovendo ou faz muito calor, vou direto para esteira da academia. Em época de gravação fico até dez dias sem malhar e isso altera meu estado de espírito. Tudo bem, porque sempre malhei e posso diminuir o ritmo às vezes.
  7. Maioria das vezes ouço sem ouvir, falo sem dizer, olho sem ver, cheiro sem sentir o odor e pego sem tocar. Pouquíssimas vezes ouço e escuto, falo e digo, olho e vejo, cheiro e sinto o odor, pego e toco. Quem sabe um dia poderei escutar sem ouvir, dizer sem falar, ver sem olhar, sentir o odor sem cheirar, tocar sem pegar. Essa será uma experiência maravilhosa!
  8. Sonhei que assistia ao meu próprio enterro, a pé caminhando entre um grupo de amigos vestidos de luto solene, mas num clima de festa. Todos pareciam felizes por estarmos juntos. E eu, mais que ninguém, por aquela grata oportunidade que a morte me dava de estar com meus amigos, os mais antigos, os menos antigos, os mais queridos, os que eu não via fazia tempo e os que haviam visto ontem. Ao final da cerimônia, quando começaram a ir embora, tentei acompanhá-los, mas uma delas me fez ver com uma severidade terminante que, para mim a festa tinha acabado. “Você é a única que não pode ir embora”, me disse. Só então compreendi que morrer é não estar nunca mais com os amigos.
  9. Porque eu não tenho nem onde, nem com que, nem pra que viver... Eu não sei por que estou tão cansada, porque sinto tanta angústia... Você entende?...Uma angústia que quase chega ao horror!. Ai, que horror! “Tenho só vinte e oito anos e tenho vergonha... vergonha de me sentir tão fraca... tão inexistente. Dentro de mim, está tudo vazio... Tudo secou, ardeu, ardeu como fogo: eu sinto, eu sinto isso e isso me dói. Foi acontecendo, pouco a pouco, sem eu perceber... foi crescendo... um vazio!”
  10. Sou contraditória. Mas penso com o coração, ajo pela emoção e venço pelo amor. Vivo inúmeras emoções em um dia e transmito vária delas em um único olhar. Enfeito-me e me perfumo, ainda que ninguém perceba mais tais detalhes. Sou dona de poderes que transformam em luz e sorrisos as dores que sinto na alma.
  11. “Preciso saber quem sou e me centrar em mim mesma. Preciso saber o que é importante pra mim, caso contrario será fácil ser jogada de um lado para o outro e tragada por valores estranhos a mim, perseguindo objetivos que não dizem respeito a quem de fato sou. Preciso aprender a pensar por mim mesma, a cultivar meus próprios recursos e a assumir a responsabilidade pelas minhas escolhas, pelos meus valores e pelas ações que dão forma à vida”.
  12. Hoje acordei cedo pra ver um espetáculo de rara beleza, o nascer do sol. De vez em quando faço isso, e reflito sobre as coisas boas da vida que são de “graça” e me fazem tão bem. Quero viver o presente, a despeito do prazer e da dor que este momento traz. De corpo, mente e coração preparo-me com disciplina e coragem para os ideais que desejo alcançar. “Quero mesmo é ir à luta, com determinação. Abraçar a vida com paixão. Perder com classe e vencer com ousadia. Pois o tempo pertence a quem se atreve. A vida é muita para ser insignificante”.
  13. Obrigada por me confiar seus desejos, seu corpo, seus medos. E do que não foi possível, guardo as lembranças como promessas que jamais sei, misturada ao cheiro forte do seu perfume e do seu sexo. Querem nos distrair do que é verdadeiramente humano amigo; e o verdadeiramente humano é a nossa humanidade efêmera e prenhe de paradoxos. Aos amantes, esse fugidio agora, que os embriaga sem intervalos. Essa intensidade que restaura em nós a vontade animal jaz adormecida, oculta nas sombras e no barulho das palavras.
  14. Meu medo de me expor é uma fatalidade. Quero me mostrar como criança, quando fazia pequenas cenas teatrais, lia poemas em voz alta ou jornal em cima de um banquinho e me curvava ao som dos aplausos de expectadores imaginários e reais. Sempre amei o teatro e será sempre o lugar mágico da minha infância. Aprendi a amar o teatro com minha mãe. Nas minhas descobertas infantis, ele esteve sempre presente, com seus personagens fantásticos.
  15. Em um verão escaldante. No abafado bairro da saúde. Eu sinto um suor, um suor que cheira muito mal, esse suor parece que tem má origem. Parece-me estar tuberculosa, mas acho que não. No escuro da noite, vi um homem a passos pesados assoviando e o uivo do cachorro vira-lata abandonado. Enquanto isso, as constelações silenciosas e o espaço do tempo que já não era meu. Assim se passam os dias!!!   
  16. “Tenho amigos que não sabe o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!”
  17. Eu já lhe disse que não sei responder a questões complexas como: Quem sou eu? O que é a vida? Quem é Deus? Você precisa saber que não quero mais buscar explicações pra tudo. Por favor, não insista! Não faça essa cara de espanto! Simplesmente cansei de buscar a verdade absoluta sobre as coisas. Hoje sou eu um cara diferente, não tenho mais dúvidas. Só tenho uma certeza: tudo o que eu quero e preciso está aqui e agora, ao meu alcance.
  18. Tem dias em que estou preocupada, pessimista, negativa. Quando acontece isso estou imprestável para escrever. E dias em que estou mais aberta pra vida. A poesia não é uma coisa cotidiana e permanente. É uma coisa que acontece muito raramente, e é imprevisível. Então nada indica que vai acontecer um poema e ele pode acontecer. Por exemplo, eu tenho um poema sobre o cheiro de uma tangerina. Cheirei tangerina a vida inteira, não é nenhuma novidade, mas de repente, não se sabe por que, aquilo desperta em mim uma repercussão, uma coisa que não despertou antes, e esse é um caminho para surgir o poema.
  19. Eu que era só saudade, só dúvidas e incertezas, sou agora a esperança de ter você comigo. Não importa por onde você andou o que você fez o que você pensou. Daqui pra frente somos só nós dois. Daqui pra frente não importa os sonhos. Com você eu sou mais forte, com você eu sou mais eu. Seu olhar me faz sentir em casa. É como se nunca tivesse vivido sem você, pois sua presença tem cheiro de infância, o mais doce delas. Terra molhada, correndo na chuva, sensação de liberdade, sabe? É isso! Você tem o poder de tornar minha alma mais livre. Mas tudo isso é bobagem. Amar mesmo é indescritível. Qualquer tentativa de explicação na verdade empobrece o mais nobre sentimento. Então vamos apenas sentir... Vamos nos deixar levar por esse cheiro que vem da vontade de apenas ser feliz!
  20. “Posso ter defeito, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não me esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é acreditar que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vitima dos problemas, e tornar-se um autor de sua própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito de sua alma. É agradecer a Deus, a cada manhã, pelo milagre da vida. Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo...”.
  21. Hoje vou tomar banho de chuva. Adoro me banhar das gotinhas geladas do céu. Sinto como se Deus estivesse levando minha alma. Banho de chuveiro é bom, mas não se compara a essa forma de lavar o corpo suado depois de uma boa exercitada. Banho de rio seria uma boa opção, mas não há nenhum rio por aqui. Então já estou pronto, só esperando ela cair e ativar toda minha energia animal. Eu sou um ser natural.
  22. Sou um rapaz com vontades, muitas vontades, mas também angústias e medos. Quero me livrar dessas barreiras, medos, angústias e sentir a vida pulsar sem receio de me jogar. Mas talvez essas angústias e esses medos façam parte de qualquer vida, talvez... Já que é assim quero sentir a chuva em todo o meu corpo, o cheiro de terra molhada no ar, um amor inconfundível e único, amizades eternas e a vida pulsar, pulsar.
  23. “Estou sempre contrariada, e às vezes choro sem nenhum motivo, provavelmente é por causa da frustração que tenho comigo mesma. Não paro de pensar como meus pais me magoaram e me humilharam. Não consigo ter relações com várias pessoas de uma só vez. Acho que não quero que eles descubram o quanto sou ruim”.
  24. Passei a viver mais intensamente os momentos de minha vida. Saborear cada momento como se fosse único. Passei a dar mais atenção à minha família e amigos. Agora, quando saio pra qualquer lugar, tento esquecer as minhas responsabilidades e viver cem por cento aquele momento.
  25. Deixei de viver momentos importantes com família, com os amigos, deixei de saborear coisas maravilhosas na vida, deixei quase tudo!!! Pensei em viver em função dos estudos, perdi carnaval, festas, praias, bares etc... Ainda assim, quando fazia um esforço para sair para dar uma relaxada, não conseguia, pois na minha mente ainda estava, tenho que estudar aquilo, meus concorrentes estão estudando, não vejo a hora de passar, estava vivendo um verdadeiro inferno.
  26. Eu digo, o amor não é acionado, nem chega com hora marcada. Não acredito que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Acredito que nascemos inteiros e que ninguém em minha vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que falta em mim.
  27. Hoje à noite, me senti mais homem, mais próximo de Deus. Parece sonho sem ilusão. Percebi sem medo, quando te amo! Noto até, sem culpa, quantas amo. Talvez eu acredite demais na vida (ou em você). Pouco me importa! Amo-me muito. Por que sei que enfrento um inferno dia-a-dia. Só pra sonhar com o céu. Só pra poder me encontrar: ai, aqui, em você, em mim, teu filho, meu filho...
  28. Eu sou preguiçosa. Durmo sentada, em pé, roendo as unhas, julgando-me pequena. Durmo sem saber quando isso começou e ignoro todas as falas, todo o barulho alheio a mim mesmo, todo o agora. Planejo dormindo e finjo iniciar uma vida para mostrar aos outros e a mim mesma, alguma coisa pequena, menor. E esqueço do meu próprio tempo, esqueço completamente de mim mesma. E aí sinto que o mundo pensa que eu sou a pessoa mais sensível do mundo e assim vou arranjando desculpa pelo mal que eu faço a mim mesma.
  29. Um sorriso custa pouco e consegue tanto! Enriquece os que recebem. Sem empobrecer os que dão. Dura apenas um instante, mas sua lembrança é, por vezes, eterna. Ninguém é bastante rico para desprezá-lo, nem bastante pobre para não poder dá-lo. Cria felicidade! É sinal de amizade. Um sorriso dá descanso a quem está fatigado, torna corajoso o mais desanimado, pois ninguém tem tanta necessidade de um sorriso como aquele que não pode dá-lo aos outros.
  30. Eu não quero o labirinto gelado dos apartamentos, a certeza da conta bancária, o carro do ano. Meu sonho não é ser funcionário público, trabalhar num banco ou numa multinacional. Eu quero mais é outra coisa! Estou me lixando pras pessoas que acham isso ou aquilo... que vivem se alimentando da fofoca, da maledicência... Sabe irmãozinho, eles, os carcereiros da nossa juventude, querem nos deixar fora do mundo, amofinados, sozinhos. Eu quero o direito de escolher os meus caminhos e segui-los da maneira que achar melhor.
  31. Amor, pra mim tem que fazer loucuras, perder a cabeça, cegar. Sabe quando eu me desencantei com você? Quando você me disse que nunca me mataria. Ali, eu vi que você não me amava. O gesto extremo. É a paixão, a entrega. Você nunca seria capaz do gesto extremo por mim. Eu sim. Apesar de tudo, tomando chope, ah, eu quis te matar! Por amor! Por que eu te amo. Você não. Você não me ama.
  32. Meus pés doem ao acordar e minhas mãos não são mais tão ágeis, mas considero-me afortunada por estar lúcida e ativa. Ainda sou forte o bastante para cuidar de minha casa e de meu marido. Ele continua rijo e firme, o olhar sempre claro, seu amor pelo trabalho e por mim sempre tão constante quanto o sol. Meus últimos anos foram bons, minha filha deu-me mais dois netos que tomaram conta de minha casa e de meu marido. Entretanto, nem o carinho das crianças pode protelar a morte para sempre, e minha hora chegou. Não sofri muito. Acordei no meio da noite sentindo um peso esmagador em meu peito, mas, depois do primeiro choque não mais dor.
  33. Eu quando era criança, muito pequena não tinha medo de nada, porque minha neurose estava no período de incubação, assim como o mundo me era totalmente desconhecido. Com o tempo eu fui... Não digo crescendo, por que o senhor pode notar que não sou grande até hoje, mas fui ficando mais velha, aprendendo muita coisa de vampiro. Hoje cheguei à sublimação da covardia humana, onde o céu é o limite. Às vezes tenho medo, medo, medo, de minha própria sombra.... Sempre a me vigiar, a me seguir por onde eu for, passo ante passo, não me larga. Aí então vem a náusea misturada com o medo, e eu só quero vomitar.
  34. Diante do espelho me vejo fraco, covarde e mais centrado. Mas o meu reflexo é forte, corajoso e mais inseguro. Se somos só um, como posso ver dois?! Será que no meu inconsciente quero ser ele?! Na verdade eu o admiro. Gostaria de ser como ele, mais sem sua insegurança. Procuro solução no desconhecido e como resposta sei: Se juntarmos nossos dons seremos um grande homem.
  35. Imagino quantas e quantas vezes eu estive, com o cheiro daquele velho, nas suas entranhas. Minha vontade agora é de escarrar no seu rosto e de acerta-lhe um tapa nessa cara irônica, mas vou fazer muito pior, vou fazer algo que vai te incomodar muito mais. Eu vou fazer absolutamente nada. Vou arrumar minhas coisas e sair dessa casa sem dizer nenhumas dessas palavras. A minha saída de cena vai ser feita de forma digna e no futuro, quando lhe perguntarem o que aconteceu, você terá que mentir e sentirá raiva ao lembrar que até no final fui digno e te respeitei.
  36. Tenho seis anos, li um livro sobre a Floresta Virgem que tem uma importante gravura de uma jibóia que engole uma fera. Refleti muito sobre as aventuras da selva, e fiz, com lápis de cor, o meu primeiro desenho. Mostrei minha obra prima às pessoas grandes e perguntei se o meu desenho lhes fazia medo. Respondera-me: “Por que é que um chapéu faria medo?” Meu desenho não representa um chapéu. Representa uma jibóia digerindo um elefante. Desenhei então o interior da jibóia, a fim de que as pessoas grandes pudessem compreender. Elas têm sempre necessidades de explicações.
  37. Descobri que a vida é fruto da decisão de cada momento. Por isso decidi aproveitar a vida ao máximo, fazendo tudo aquilo que mais gosto. Decidi mudar a forma de encarar a vida, dar mais valor às pequenas coisas e ver claramente como são tolas algumas idéias que trazemos dentro de nós. Decidi relaxar, me soltar um pouco, andar descontraída, ser mais atrevida. Decidi ser feliz hoje, e amanhã mais feliz ainda.
  38. Eu tenho histórias pra contar, histórias de uma vida. Tenho amores, receios, dúvidas, angústias, alegrias, medos, decepções, paixões, mágoas e lembranças. Histórias que a poucos podem interessar, e muitos surpreender, é algo que ainda não acabou, algo que vivi, senti, e que ainda vivo e sinto nesse exato momento, a todo o momento. Eu vou continuar vivendo sempre e sempre para sempre, até o dia em que o meu eterno se acabar, se um dia o eterno acabar, porque o eterno não acaba nunca, ele vive para sempre.
  39. Quando eu era criança, assim pensava e agia de modo a vivenciar aquela bela fase da vida, sem pensar no amanhã, no depois, e sempre em busca de descobrir novos horizontes e fugir de qualquer forma de opressão. Com o passar do tempo, estou certo de que viver é superar limites, transpor barreiras, buscar sempre a infinita capacidade de pensar de sentir, consciente de que não estou aqui sozinho, de que faço parte de um todo, co-existo e interajo com todos os seres do universo e, mesmo sendo uma partícula na imensidão, sou ilimitado em possibilidades.
  40. Às vezes, fico a refletir e me perguntar se vale a pena levar a vida tão a sério. Se não seria melhor me libertar das amarras que me prendem aos preconceitos e à rotina. Quero ter coragem de dar risada nas alturas, gritar sem me preocupar com o que os outros estarão pensando. Amar muitos amores, sem sentir a culpa de não ser apenas de um. Não ir trabalhar quando o maior impulso fosse andar na praia ou viajar. Ser um pouco irresponsável. Beber até cair. Ir de encontro à consciência e deixar o inconsciente se libertar. Falar mesmo quando a situação pedisse silêncio. Chorar quando a alma quisesse colocar pra fora o pranto recolhido. Não levar a vida tão a serio pode muitas vezes magoar outras pessoas. Mas quando acordo percebo meus pés ainda presos no chão.

 

 

 

    

 

 

 

 

 

 

 
© Copyright 2004, Espaço Aberto Vánacontramão.